M2088

19th January 2023

Pressionado a tomar uma decisão fatal

Relatório Inicial

O super iate estava fundeado em uma baía onde as motos aquáticas eram proibidas devido à densidade do tráfego no fundeadouro e uma série de incidentes anteriores.

O proprietário estava a bordo com um outro convidado que bebia muito. Eles solicitaram que a moto aquática fosse colocada na água. O comandante explicou que o uso de motos aquáticas era proibido e desaconselhável quando o condutor estivesse alcoolizado. O proprietário e seu convidado foram insistentes, e essa conversa foi aumentando de tom até que o comandante recebeu o ultimato de lançar a moto aquática ou ser dispensado.

O comandante cedeu à pressão e a moto aquática foi colocada na água. Pouco depois, o convidado do proprietário abalroou uma embarcação próxima em alta velocidade. A vítima foi retirada da água, inconsciente e gravemente ferida; a tripulação descobriu que ele não estava respirando e iniciou a recuperação cardiopulmonar, mas a vítima morreu antes da chegada dos serviços de emergência.

O resultado foi uma morte, tripulação e proprietário traumatizados e o comandante perdendo o emprego. Ele permaneceu desempregado pelos dois anos seguintes enquanto estava sob investigação e sob ameaça de processo criminal.

Na minha experiência, os proprietários de super iates costumam ser excessivamente exigentes e precisam respeitar a autoridade do comandante. Receber um “não” como resposta não é algo familiar para eles e é visto como um insulto. Os comandantes que defendem seu espaço correm o risco de serem afastados por sua conduta profissional, e aqueles que cedem enfrentam consequências ainda mais terríveis.

Comentário CHIRP

A bebida comprometeu a capacidade de julgamento do convidado e do proprietário, mas o comandante sabia que era proibido trafegar de moto aquática na baía. Mesmo que o proprietário tivesse demitido o comandante na hora, uma vez que estivessem sóbrios, provavelmente teriam percebido que o comandante estava falando objetivamente, não subjetivamente. No entanto, mesmo quando isso pode colocar outras pessoas em perigo, ainda pode ser difícil recusar um pedido ou ordem de um proprietário, especialmente se eles estão acostumados a conseguir o que querem ou veem a recusa como um desafio à sua autoridade. Nesse caso, o proprietário intimidou o comandante a lançar a moto aquática contra seu julgamento profissional. No entanto, o primeiro dever de um comandante é a segurança da tripulação e dos passageiros, e ele deveria ter recusado, independentemente das circunstâncias.

Nesse caso, o proprietário intimidou o comandante a lançar a moto aquática contra seu julgamento profissional. No entanto, o primeiro dever de um comandante é a segurança da tripulação e dos passageiros, e ele deveria ter recusado, independentemente das circunstâncias

Para evitar tais cenários, os comandantes são incentivados a confirmar com os proprietários da embarcação que eles têm autoridade para recusar solicitações que coloquem as pessoas ou a embarcação em risco – e, principalmente, que serão ouvidos. Preferencialmente, isso deve ser feito o mais cedo possível no relacionamento profissional – potencialmente até na entrevista. Proprietários conscientes aceitarão que o comandante esteja cuidando de seus interesses. Onde tais garantias não forem fornecidas, isso deve ser um sinal de alerta para o comandante de que a segurança a bordo provavelmente será comprometida em algum momento. Melhor procurar um emprego alternativo nesse ponto do que ser ameaçado de demissão no calor do momento. O CHIRP quer informar que o comandante tem outros lugares para relatar esta coerção, que devem ser informados a ele.

Principais questões relacionadas a este relatório

Capacidade de julgamento: a bebida prejudicou o julgamento do convidado e do proprietário.

Pressão/cultura: O proprietário intimidou o comandante a ir contra seu julgamento profissional. A bordo, tal comportamento se refletia na cultura de segurança e provavelmente na cultura de bem-estar.

Up next: